Buscar
  • Norman Arruda Filho

Precisamos falar sobre segurança hídrica


O Fórum Mundial da Água, que seria realizado em Dacar, no Senegal, neste último mês de março, foi transferido para 2022, mas não podemos esperar para refletir sobre o seu tema: “Segurança Hídrica para a Paz e o Desenvolvimento”. A questão da água, seja relacionada com desastres socioambientais, consequências do aquecimento global ou sua escassez, são mazelas da sociedade contemporânea. Segundo o relatório da UNICEF e OMS (2019), uma em cada três pessoas no mundo não tem acesso a água potável. A cada ano, morrem 297 mil crianças menores de 5 anos por doenças associadas a água, saneamento e higiene.


Considero que a discussão e a necessidade de se achar soluções para a crise hídrica é tão importante quanto a soma de esforços para contermos a pandemia da covid-19. O debate pela segurança hídrica é interdisciplinar e envolve os campos político, social e científico.

Segundo o professor canadense Howard S. Wheater, 80% da população mundial está exposta a altos níveis de ameaças à segurança hídrica, e uma grave crise se mostra no horizonte até 2070. Um dos exemplos está relacionado à urbanização desordenada somada ao desmatamento ilegal e a agricultura predatória que significam poluição dos rios e ameaças a vida aquática. Além disso, podemos acrescentar à pressão sofrida pelo sistema hidrológico e a produção de alimentos para uma população em curva de crescimento ascendente. Estima-se que até 2050 a produção alimentar terá que ser incrementada em 60% para atender a projeção de 9,7 bilhões de habitantes na Terra.


Com o passar dos anos, em alguns países, ocorreu uma perigosa cisão entre o conhecimento científico produzido na academia, a gestão governamental e o conhecimento comunitário. Porém, como a pandemia nos mostrou, a gestão, seja ela da saúde, social ou ambiental, deve andar de mãos dadas com o conhecimento científico e ambos devem ‘convidar a sociedade para o jantar’. Para conseguirmos aplacar a severa crise hídrica que já enfrentamos e que tende a ficar insustentável nas próximas décadas, há a urgência de uma governança hídrica holística e em rede. Não há mais espaço para o negacionismo sobre como as alterações climáticas impactam os ecossistemas, a produção alimentar e o desenvolvimento socioeconômico.


Devemos promover parcerias e o intercâmbio de tecnologias e financiamentos de projetos com países mais desenvolvidos no quesito hídrico. A Arábia Saudita e outros lugares do Oriente Médio e do Norte da África, por exemplo, estão no centro de soluções como a dessalinização de água marinha que, apesar do caro processo e enorme gasto de energia, ainda é apontado como uma solução futura. Por isso, gestores, cientistas e sociedade devem olhar para os cenários futuros, compreender os impactos das alterações causadas pela ação do Homem sobre o meio ambiente e como sugere Wheater, “considerar a complexidade dos sistemas hídricos e sua interdependência em relação aos sistemas terrestres, energético e alimentar, em escalas local e mundial”.


Faço meu apelo para despertarmos enquanto indivíduos corresponsáveis pela crise hídrica e assumirmos o papel de protagonistas. Devemos facilitar o diálogo e a integração internacional, além de considerarmos as vulnerabilidades sociais para tornarmos o mundo mais resiliente perante a projeção de um cenário tão incerto e extremo relacionado a segurança hídrica mundial.

0 comentário